Conhecimentos académicos e segurança emocional: como preparar os miúdos para a escola!

 

Setembro, esse mês tão desejado e temido. Para a maioria das pessoas Setembro enceta em si uma dualidade de sentimentos, se por um lado é um mês com temperaturas mais amenas (bem convidativas para quem saiu de um Agosto soalheiro e tórrido), por outro significa regressar à “normalidade” sendo esta aqui entendida como o retomar da vida que levávamos antes das férias. Horas de levantar e deitar mais rigorosas, lides da casa, comida, filhos com escola à porta…

Agosto já lá foi  e é preciso retomar; guardamos os bons momentos passados com a família, com os amigos, as experiências acumuladas, e lá vamos nós, rumo a mais um ano, sim, mais um ano, pois todos os pais, com filhos em idade escolar, regem-se mais pelo ano letivo, do que propriamente pelo ano civil.

Mas nem sempre é fácil retomar a vida que levávamos antes das férias; como acordar miúdos que estão agora habituados a levantar, na melhor das hipóteses, as 10h da manhã? Como torna-los mais activos, quando nas férias nada faziam, ou fartavam-se de fazer actividades de exterior e em casa apenas queriam ir para o sofá…. Não é por acaso que se diz que precisamos de férias das férias, mas quando os miúdos estão meses neste modo, como retomar?

O segredo, ou melhor, a maneira mais fácil, é a gradual. A cada dia vamos progressivamente deitando mais cedo, acordando mais cedo, relembrando certos afazeres diários, participando mais nas tarefas domésticas, redistribuindo as funções de cada um em casa, dando uma vista de olhos pelo material escolar, o que dá para aproveitar, o que temos que renovar, o que é impreterível adquirir e, aos poucos, começamos a falar uma linguagem mais escolar.

Para a maioria das crianças e jovens, estes meses de férias deixaram lá bem no fundo os conhecimentos adquiridos, o que é natural, mas alguns deles sentem a necessidade de reavivar os conteúdos anteriormente abordados para que, assim que a escola recomece, se sintam mais dentro das temáticas, outros jovens nem tanto, pelo que, se considera que o seu filho deveria dar uma vista de olhos na matéria anteriormente lecionada, ensine-lhe estratégias lúdicas, prazerosas, para que esta tarefa seja sentida como agradável e não aborrecida.

Não é difícil perceber que sem vontade tudo fica mais complexo, e o tempo gasto não rende, então mais vale pensar em maneiras alternativas de apresentar os conteúdos. Seja criativo e invente palavras cruzadas com a matéria que se quer reavivar, faça charadas acerca das temáticas em apreço, utilize jogos como o sudoku, brincadeiras com números, multiplicações, divisões utilizando as referências deles; agarre nas experiências que tiveram nas férias, nos desenhos animados nas séries que têm estado a ver,… enfim, traga um pouco das vivências dos miúdos e crie momentos de aprendizagem divertidos.

Para os mais pequenos pode realizar atividade simples, como fazer um bolo e solicitar que ajudem nas quantidades, pedir-lhes que vão à despensa buscar os ingredientes (para além de os implicar na leitura dos rótulos, estão a ajudar na organização espacial, pois uma despensa pode ser um verdadeiro enigma para quem não está habituado ao lugar das coisas; orientações como à direita de, atrás de, à frente, mais acima, mais abaixo… pode parecer pouco, mas acabam por ajudar a orientar), depois de confecionado podem cortá-lo às fatias e brincar com as parcelas. Pode, inclusive, fazer um lanche com as personagens que foram abordadas na escola, nas localizações mais importantes, nas margens dos rios…, enfim criar todo um enredo baseado nas aquisições prévias dos miúdos e que agora vale relembrar.

Se uma criança sentir divertimento nas aprendizagens, tudo se torna mais fácil. E assim, está também a aumentar o seu nível de confiança, pois uma criança que sente que domina o assunto torna-se mais capaz de lidar com as situações e até mesmo com o imprevisto, pois aprenderá que se se empenhar, se se interessar pelas coisas saberá e daqui retirará a lição que ninguém nasce ensinado, e se hoje não soubermos, mas formos procurar, amanhã já saberemos.

Um certo grau de insegurança é natural, mas limitarmo-nos a aprender pelo receio de errar deixa de ser natural, pois faz-nos acreditar que só podemos responder, arriscar, quando dominamos tudo. Princípio totalmente errado, uma vez que o erro é um momento de aprendizagem e não uma falha.

E não podemos deixar que os nossos filhos iniciem o ano letivo inseguros, temerosos e hesitantes. Se anteriormente falámos de renovar conteúdos académicos, agora urge falar na segurança emocional, na renovação dos laços de confiança com o próprio e com os outros, pois nem sempre o regresso à escola é sentido como prazeroso, como a oportunidade de recordar as longas conversas com os amigos, para contar as aventuras das férias, as idas ao bar, ao pátio… Para alguns a escola pode ser sentida como deveras ameaçadora, e nós pais, teremos consciência disso? Será que nos apercebemos de como funciona o nosso filho na escola?

Bem sabemos que as crianças e adolescentes podem assumir diferentes posturas na escola e em casa e estas até se podem tornar contrárias, mas saberemos nós, enquanto pais e encarregados de educação, ajudá-los? Conseguiremos estar ao nível das suas expectativas, ou simplesmente detetar quando algo não está a ir pelo melhor caminho? Saberemos iniciar uma conversação de forma clara e precisa, sem deitar tudo a perder (entenda-se aqui como aquela janela de oportunidade, aquela porta entreaberta que os jovens por vezes nos dão)?

De facto, nem sempre é fácil abordar temáticas complexas com os filhos, na maior parte das vezes os pais não sabem como, e os filhos fogem a sete pés. Aproveite estes dias que medeiam o início da escola e, tranquilamente, vá abordando as relações escolares, as facilidades ou dificuldades do regresso. Fomente no seu filho a capacidade de falar, de se emocionar, de gostar ou detestar, de mostrar a forma como concebe a vida, o que lhe é mais difícil de pensar, sentir e expressar, mas também o que lhe é mais fácil de comunicar. Perceba nele o que mais o irrita nos outros, o que o faz aproximar-se ou afastar-se de alguém, pergunte-lhe que características um amigo tem que ter, diga qual o seu conceito de amizade. Fale-lhe das suas próprias experiências, mostre-lhe que os conceitos mudam, que a amizade evolui, que as pessoas mudam, diga-lhe que podemos pertencer a diferentes grupos, que é natural que não gostemos de todos, assim como também é natural que nem todos gostem de nós, mas que isto não pode nem deverá ser motivo para encetarmos planos para nos vingarmos, para rebaixarmos ou deixarmo-nos rebaixar.

Mostre-lhe que nem tudo são rosas, mas que podemos evitar os espinhos por meio da forma como pensamos e agimos. Fale-lhe das novas tecnologias, e não negue que estas vieram para ficar, pelo contrário, integre-as na rotina dos seus filhos, e aprenda mais acerca delas. Pergunte-lhes que novas redes andam por aí, tente saber o que lhe agrada mais em cada uma, o que lhe agrada menos, perceba se o seu filho sabe os perigos associados à navegação, e como se proteger.

Se for mantendo este tipo de diálogo com o seu filho/educando, estará a preparar o terreno e se mais tarde, com o decorrer das aulas, houver alguma dificuldade, alguma complicação, eles terão maior abertura para o questionar, para lhe solicitar ajuda.

Não se esqueça que os seus filhos/educandos pensam de maneira diferente da sua e se mostrar uma atitude repressora e crítica, a tal janela de oportunidade que eles abriram, fecha-se num instante, portanto mais vale perceber como estes funcionam, como pensam, por onde navegam e depois tentar mostrar o melhor caminho, a melhor forma de se desenvencilharem das dificuldades.

Bom regresso às aulas!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here