Fogo à Peça – Bullying com Tânia Paias

0

A convidada de Alexandre Honrado para esta edição é Tânia Paias que nos vem falar do Bullying e do seu livro “Tenho Medo de Ir à Escola”.

Prova Oral – Bullying com Tânia Paias

0
prova-oral-bullying-tania-paias
Prova Oral com Tânia Paias

Fernando Alvim convida Tânia Paias para o programa Prova Oral. O mote para esta conversa é sobre “Tenho medo de ir à escola”. A autora Tânia Paias, Psicólogo de profissão e diretora do PortalBullying escreveu este livro recorrendo a casos reais para tenta dar respostas concretas às dúvidas que assaltam pais, educadores e os próprios jovens. Afinal, o bullying é algo muito real e sérioe não podemos fechar os olhos – é preciso atuar.

Fonte: Prova Oral

Escolas deviam poder denunciar casos de bullying

0
vitimas-de-bullying
Vítimas de bullying

Escolas deviam poder denunciar casos de bullying, defende coordenador de tribunal de menores

O coordenador do Tribunal de Família e Menores de Lisboa defendeu, esta quinta-feira, que o bullying devia ser considerado um crime público, podendo as escolas denunciar os casos de perseguição e humilhação continuada ao Ministério Público.

Ler mais em: http://www.tsf.pt/

Sintomas de Bullying, Filhos e Cadilhos – Tânia Paias

0

Tânia Paias, Directora do PortalBullying foi convidada do programa Filhos & Cadilhos no Porto Canal. Sintomas de Bullying foi o tema em análise.

Júri do Concurso Bullying

0
work

Júri do Concurso “Outubro mês de prevenção ao Bullying”.

Caros participantes, o júri do concurso – “Outubro mês de prevenção ao Bullying” é composto pelos seguintes elementos:

Dr.ª Tânia Paias – Psicóloga Clínica e responsável do Portalbullying.
Brian Claudino – Ilustrador/Designer.
Hugo Soares – Professor de Design e Comunicação – (ISMAT, EPGE).

Contas-me uma história?

0

Vamos fazer um apelo ao teu lado criativo, e em conjunto vamos editar um livro que mostra as nossas vidas por estes dias.

Em primeiro lugar deixamos-te esta imagem para que a pintes da forma que mais gostares.

[download id=”6366″]

Em segundo lugar pedimos-te, com a ajudo dos teus pais, se achares necessário, que contes uma história para esta imagem, mas a viver os tempos que estamos a viver, ou seja, esta imagem mostra a nossa amizade, o carinho, o abraço, o estarmos a conviver todos muito próximos uns dos outros. Mas esta proximidade não é agora possível, aliás, agora este afastamento é um ato de amor, mas não é por isso que deixamos de gostar de carinhos, de ter afeto pelos outros, de os querer abraçar de estar ao pé deles, de mostrar a nossa amizade.

Pedimos-te então que escrevas uma história de como continuas a mostrar afeto pelos teus amigos, de como é estar em casa, de como te sentes, e do que precisas para ficares bem e do que podes dar/dizer aos outros para que fiquem bem também. Podes criar também ilustrações, ou somente pintar este desenho, ou apenas uma personagem deste desenho, o que quiseres.

No final envia-nos o teu trabalho e nós iremos compilá-lo e criar um e-book.

Envia para tania.paias@portalbullying.com.pt

Ficamos à espera das tuas aventuras.

🌈

Romper com falsas crenças

0

A tolerância e aceitação para com o que foge à norma, ao que se está habituado, é a melhor forma de prevenir a violência entre pares.
Apoiar para libertar as falsas crenças é crescer para um mundo mais saudável, mais compreensivo e naturalmente mais alegre.

Porque teremos nós que educar as nossas crianças para os conceitos que são tradicionalmente aceites pela sociedade vigente. As nossas emoções, os nossos sentimentos não se regem por estatutos sociais, por etnias, por diferentes tons de pele, pois debaixo de tudo isto somos pessoas que possuem as mesmas necessidade básicas.

Necessidades estas de ditam a forma como nos iremos sentir e pensar, pois se educarmos para a igualdade, para a tolerância e para a compreensão, certamente teremos crianças mais iguais, sendo que a máxima sempre foi e sempre será, “todos iguais, todos diferentes”. Aqui quando digo crianças mais iguais, refiro-me à aceitação da diferença do outro como sinal da sua própria individualidade/condição, o que seja, mas que isso não a diferencie das vivências supostas para a sua idade.

Num mundo que muda a uma velocidade estonteante, mudemos também as nossas crenças, atitudes e forma como educamos os nossos filhos, educandos e alunos.

Necessitamos de mais crianças e jovens que se defendam, que defendam os outros e que se posicionem como igual ao outro, sem que este igual tenha que se referir ao mesmo tom de pele, aos mesmos gostos, interesses, estilos de vestir, pois é na diversidade que aprendemos a olhar sem criticar, sem julgar e sem retaliar.

Os jovens, que “sofrem” muito pelo contágio social, se deixem contagiar por atitudes como estas 🙂

Sabes ser AMIGO?

0
erica-santos

Já alguma vez te perguntaste, ou se perguntou também, enquanto adulto, que tenta conduzir/orientar as amizades do seu filho/educando, sobre o que é ser amigo?

Considera que o conceito de amizade é igual nas diferentes idades?

Nem por sombras… Dizemos-lhe…

Então vale a pena indagar acerca do significado deste conceito, e para além de aprofundar a sua definição por entre as diferentes idades, importa perceber como cada criança e jovem o concebe individualmente.

É que muitas vezes a raiz da questão reside aqui, no facto de pensarmos e agirmos de uma maneira e de inconscientemente esperarmos o mesmo tipo de comportamento no outro.

Se isto não acontece….PRONTO…está aberto o caminho para nos desiludirmos, para ficarmos tristes e desapontados com o outro, validando este sentimento através do pensamento “Se gostasse de mim, ou se eu fosse importante, não me teria feito ou dito isto, pois eu nunca seria capaz de lhe fazer o mesmo”.

E o pior de tudo isto é que na maior parte das vezes sentimos apenas, e não verbalizamos. E ao somente sentir e nada dizer, estamos a abrir uma fenda na nossa segurança, estabilidade emocional e a promover sentimentos ambivalentes para com o outro, e acima de tudo para connosco.

E são estes sentimentos contraditórios que nos levam a estar atentos aos comportamentos dos outros e, ao mesmo tempo, nos fazem obter respostas confirmatórias para as nossas suspeitas de “pouca amizade” por parte dos outros.

Então, o que devemos dizer e fazer?

Acima de tudo, comunicar. Expressar as nossas emoções e as nossas sensações ajuda a que o outro nos compreenda melhor e a que nós também possamos compreender melhor o outro.

Por vezes as diferenças de atitude não são reflexo de que não se gosta do outro, simplesmente que não se tomou em consideração como o outro se poderia sentir, por não se pensar da mesma forma…

Daí que seja fundamentar desmontar todo este cenário que começou a ganhar espaço na nossa mente.

Já o velho ditado popular dizia: “A falar é que a gente se entende.”

Boas conversações 🙂

(creditos da imagem – Érica Santos – vencedora do concurso mês da Prevenção e Combate ao Bullying, no ano letivo 2017/2018)

É tempo de refletir

0

working

Terminada a fase de votação do público, é agora altura de analisar cada trabalho, cada mensagem e todo o empenho colocado nesta causa.

De facto foram meses intensos, de trabalho e de união, juntámos Portugal de uma ponta à outra em prol desta missão.

Resta-nos agradecer todos os trabalhos enviados, bem como a pronta resposta à nossa solicitação.

Estamos gratos pela diversidade e qualidade dos trabalhos, e como puderam ver pelos trabalhos, até os mais pequenos podem dar o seu contributo.

O nosso muito obrigado.

Em breve teremos novidades.

 

Projeto nos EUA pune o cyberbullying com prisão

0
Quem for condenado pode passar dois anos na prisão; críticos veem ato de censura
O Congresso dos Estados Unidos voltou a discutir um projeto de lei que pune com prisão os internautas que utilizarem a web para “coagir, intimidar, assediar ou causar sério abalo emocional a uma pessoa”.

A não perder

Error decoding the Instagram API json